Cultivo de Lúpulo no Brasil, história e perspectivas

Sou Rodrigo Baierle, engenheiro agrônomo, especialista em melhoramento genético de plantas e lúpulo, nas próximas linhas vou fazer um apanhado sobre a história do lúpulo no Brasil, panorama atual e perspectivas, vem comigo?

Rodrigo Baierle

História do Cultivo de Lúpulo no Brasil

Existem muitos relatos sobre a chegada do Lúpulo ao Brasil, porém poucos documentos. O primeiro documento técnico sobre Lúpulo foi publicado por uma Revista Agrícola do Rio de Janeiro no ano de 1885, a qual descreveu agronomicamente a cultura do lúpulo pela primeira vez por aqui.

No estado do Paraná os relatos apontam para o ano de 1869, com mudas trazidas por imigrantes poloneses que cultivavam lúpulo em casa para o uso em suas cervejas.

Cultivo de Lúpulo da Lúpulos 1090

Já no Rio Grande do Sul o cultivo começou por volta do ano de 1953, na região de Nova Petrópolis, próximo a Gramado. As mudas foram trazidas por um imigrante alemão que foi incumbido por uma cervejaria local de cultivar lúpulo na região. Ele teve muitas dificuldades em trazer as mudas, primeiro porque as mesmas vieram de navio e segundo pela resistência dos governantes da época, pois diziam que o Rio Grande do Sul era uma região com vocação pecuária e não agrícola.

No final das contas, das 2.000 mudas que saíram da Europa sobraram pouco mais de 20, estas foram multiplicadas e depois cultivadas em uma área que chegou a ter aproximadamente 15 hectares, o equivalente a 15 campos de futebol.

O cultivo da flor no Rio Grande do Sul nesta época atendia as cervejarias locais, e tudoia bem, até que estas pequenas cervejarias foram fechando ou sendo compradas por um grupo maior que deixou de comprar o lúpulo local, e por não ter mais para quem vender seu lúpulo, os agricultores foram obrigados a abandonar seus cultivos e o lúpulo usado nas cervejarias nacionais passou a ser importado.

Tanto a variedade cultivada no Paraná quanto a variedade cultivada no Rio Grande do Sul foram mantidas por algumas famílias e hoje em dia são conhecidas como variedade Crioula do Rio Grande do Sul e variedade “Brasilinsky” do Paraná.

Atualidade do Cultivo de Lúpulo

Em uma história mais recente a cultura renasceu, e no ano de 2005 surgiu a primeira variedade de lúpulo nacional, conhecida como Mantiqueira, fazendo referência a Serra de mesmo nome onde foi descoberta.

Com o ressurgimento dos cervejeiros caseiros, a tendência das chamadas cervejarias artesanais, e a demanda dos brasileiros por cervejas de melhor qualidade fez surgir outras iniciativas de cultivo de Lúpulo pelo Brasil a fora, então, foram trazidas diversas variedades para cá, algumas delas se adaptaram muito bem.

Hoje temos lúpulos de qualidade sendo cultivados de Norte a Sul do Brasil.

Em 2018 o cultivo de lúpulo no Brasil ganhou muita força com a criação da Associação Brasileira de Produtores de Lúpulo – APROLÚPULO, do qual sou sócio fundador. A associação tem feito um excelente trabalho e muito evoluímos desde sua criação, sendo a associação voz ativa junto a câmara setorial da Cerveja, recém criada pelo Ministério da Agricultura.

Atualmente temos aproximadamente 60 hectares de lúpulo sendo cultivados pelo Brasil, sendo no estado de Santa Catarina a maior concentração de produtores.

E os resultados são muito promissores em nossas jovens lavouras, que na maioria tem menos de 2 anos de idade. Produtividades elevadas estão sendo atingidas por certos produtores nas mais diversas regiões do país mostrando que é possível produzir bem, principalmente quando estas lavouras tem o acompanhamento técnico de um engenheiro agrônomo com experiência no cultivo desta planta.

E se pensarmos que em certas regiões estão sendo feitas duas e até três safras de lúpulo por ano, com certeza atingiremos produtividades maiores que a Europa e EUA na soma do ano.

Em termos de qualidade os resultados ainda não são os mesmos do exterior, onde em certas regiões o cultivo de lúpulos já é feito a cinco gerações.

Como nossas plantas são jovens ainda temos um caminho a percorrer, mas pontualmente já temos alguns resultados muito próximos do exterior em experimentos agronômicos e cultivos caseiros, como por exemplo em meu cultivo, onde por três safras consecutivas atingi a marca de 8% de alfa ácidos para a variedade cascade, teor equivalente ao cascade importado. Quanto ao teor de óleos essenciais os níveis foram inclusive maiores que o cascade importado.

Também já temos em andamento programas de melhoramento genético de lúpulo no Brasil, com resultados promissores de produtividade e qualidade, e que com o tempo certamente nos trarão amargas e aromáticas variedades nacionais, que além de qualidade serão mais adaptadas aos nossos climas variados.

Perspectivas do Cultivo do Lúpulo 

O que precisamos agora é aumentar a escala de produção para poder atender as cervejarias durante o ano todo, e para isso a barreira a ser vencida é a colheita e o beneficiamento das flores de lúpulo.

A colheita precisa ser feita com o uso de máquinas específicas chamadas de peladoras. Hoje já temos uma peladora nacional em funcionamento nos estados do RS, SC, SP e RJ.

A peletização, que é a transformação da flor em grânulos compactados é o outro processo onde precisamos evoluir, processo que deve ser encarado como uma arte, onde os mínimos detalhes fazem toda diferença. Atualmente, duas empresas estão comercializando peletizadoras de lúpulo que atendem as necessidades do processo, que deve ocorrer em baixas temperaturas para preservar a qualidade do lúpulo, principalmente quanto aos óleos essenciais.

Existe muito trabalho a ser feito, tanto quanto ao manejo, máquinas e beneficiamento, mas as perspectivas são as melhores possíveis pois é uma cultura com alto valor agregado e que hoje é totalmente importada de outros países. Nas Universidades Brasileiras emergem campos de pesquisa de lúpulo e os investidores começaram também a investir na produção e na pesquisa.

Para maiores informações e curiosidades é só acessar Lúpulos 1090 nas redes sociais.

Para você que se identificou e quer saber mais detalhes sobre a cultura, presto serviços de consultoria remotamente e presencialmente, bem como elaboro projetos de plantio de lúpulo, estudos de viabilidade econômica e visitas técnicas.

Eng. Agrônomo Rodrigo Ertel Baierle

Lúpulos 1090

Contatos: fone (49)99146-3031 e e-mail: rodrigo.baierle@gmail.com

Fernanda Puccinelli Autor

Grande apreciadora de cervejas, teve o primeiro contato com cerveja artesanal sendo cobaia das primeiras cervejas feitas pelos Lamas. ;) Depois de uma temporada nos EUA resolveu unir o útil ao agradável e se aprofundar no mundo das cervejas artesanais. Gosta de viajar, cachorros e claro beber e falar sobre cerveja.

Comentários

    Jorge Luiz Fenerich

    (20 de julho de 2020 - 11:29)

    Excelente artigo sobre Lúpulo nacional, instrutivo e esclarecedor, sempre gostei das Ales e preciso experimentar essa Norueguesa. Obrigado.

    Pedro

    (27 de julho de 2020 - 13:40)

    Muito bom esse artigo! Fiquei curioso para saber como seriam as características dos lupulos do século XIX trazidos pelos poloneses. Será que tem alguma variedade atual que se pareça com eles? Abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *