Receita de cerveja – New Zealand Pilsner

Chegamos no final da semana lupulada da Lamas Brew Shop, cervejeiros e cervejeiras, e para fechar com chave de ouro fomos na terra dos povos originários Maori para nos inspirar e criamos a New Zealand Pilsner.

Uma cerveja clara, de cor dourada com características tropicais, cítricas e frutadas vindo dos lúpulos neozelandeses. Possui corpo médio com um corpo que envolve a boca e final arredondado. É uma cerveja com alta drinkability e refrescante.

New Zealand Pilsner

Características da New Zealand Pilsner

OG: 1048
FG: 1010
EBC 6,3
IBU: 34
ABV: 5,0%
Volume: 20 litros

Ingredientes

3,8 kg Malte Pilsen
400 g Malte Carapils
24 g Lúpulo Taiheke (60 min)
20 g Lúpulo Taiheke (10 min)
1 sachê Levedura AEB Fermolager W
1 pote de priming para carbonatação

1) Aqueça 12 L de água até 72°C. Despeje o malte moído  na água e mexa bem com a colher. Se você utiliza o método BIAB, utilize 24 L de água e despeje os grãos dentro do grain bag.
2) A temperatura cairá para ~68°C, mantenha nessa temperatura por 60 minutos. Mexa sempre que o fogo estiver ligado para não queimar o fundo da panela.
3) Terminados os 60 minutos, suba a temperatura para 78°C e desligue o fogo.
4) Caso esteja usando o método BIAB, suspenda o bag, deixe o excesso de líquido escorrer para a panela e passe para a etapa de fervura. Não esprema o bag para evitar adstringência na cerveja. Complete a panela com a água quente até atingir aproximadamente 25,35 L de mosto.
5) Caso NÃO use BIAB, é hora de fazer a recirculação. Pela torneira da panela, retire um pouco de mosto (~0,5L) e retorne-o para a panela, quebrando o fluxo com a ajuda da pá cervejeira. Repita este processo por 10 a 15 minutos, até notar que o mosto esteja mais cristalino.
6) Após a recirculação, transfira o mosto para outra panela para iniciar a fervura. Quando o mosto chegar no nível dos grãos, despeje vagarosamente os 18 L de água quente (78°C) sobre os grãos. Termine de transferir o mosto para a panela de fervura até obter aproximadamente 25,35L de mosto. Caso só tenha uma panela, transfira o mosto para o balde fermentador, lave a panela e volte o mosto para fazer a fervura.
7) Neste ponto você terá em torno de 25,35 L de mosto na panela. Aqueça-o até levantar fervura.
8) Assim que começar a ferver adicione 24 g do lúpulo Taiheke e mantenha a fervura por 60 minutos. Não precisa mexer durante esta etapa.
9) Enquanto a fervura acontece, aproveite para sanitizar seu fermentador, chiller e demais instrumentos que serão usados na parte fria da produção.
10) Faltando 10 minutos para o final da fervura, acrescente 20 g de lúpulo Taiheke. Passado os 60 minutos, desligue e faça o whirlpool (fazer um redemoinho com a pá – gire o mais rápido que conseguir sem derramar). Aguarde 5 minutos para os resíduos decantarem.
11) Resfrie o mosto com serpentina (chiller) e transfira para o fermentador.
12) Caso tenha um densímetro ou refratômetro, meça a densidade inicial (OG) e anote.
13) Com o mosto frio (abaixo de 30°C) despeje a levedura no fermentador, tampe e coloque o airlock.
14) Mantenha o fermentador descansando por 15 dias à 12°C e mais 3 dias a 18°C para o descanso de diacetil.
15) Após 18 dias, caso tenha um densímetro ou refratômetro, meça a densidade novamente (FG) e anote.
16) Abaixe a temperatura do fermentador para 2°C, ou coloque-o na geladeira comum, por 15 dias.
17) Sanitize as garrafas / growlers / pets que irá utilizar. Não esqueça de sanitizar as tampinhas.
18) Cuidado para não agitar o fermentador e turvar a cerveja.
19) Despeje o sachê de açúcar ou bala de carbonatação dentro da garrafa (1 sachê/bala para 300 ml, 2 sachês/balas para 600 ml e 3 sachês/balas para 1L) e encha-a deixando sempre um espaço vazio de 2 dedos (head space). Tampe a garrafa.
20) Guarde as garrafas de cerveja por 7 dias (em temperatura ambiente) para formar gás. Depois disso basta colocar as garrafas para gelar e aproveitar.

Fernanda Puccinelli Autor

Ggerente de marketing da Lamas Brew Shop. Descobriu o universo da cerveja caseira sendo cobaia das primeiras cervejas dos Lamas. Se apaixonou de vez pelas artesanais depois de se mudar para os EUA. De volta ao Brasil entrou no grupo da Manada Lamas, sendo responsável não apenas pelas ações de Marketing como também pelas curadoria do Lamas Brew Club.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *