Cream Ale – conhece esse estilo?

Cream Ale, já ouviu falar? Já tomou?
Voltamos mais uma vez para o berço das cervejas modernas, o lugar onde os cervejeiros se desafiam a cada dia em busca de novos sabores e técnicas diferentes para melhorar essa bebida tão apreciada no mundo inteiro. Estamos novamente nos Estados Unidos.

Sabia que junto da Kentucky Common e da Califórnia Common, a Cream Ale é o terceiro e último estilo desenvolvido em solo americano (e não uma adaptação de algum estilo europeu como a maioria).

História da Cream Ale

O estilo foi criado com o mesmo objetivo que tantos outros: concorrer com as lagers alemãs que eram um sucesso nos Estados Unidos e mundo afora durante o século 19 .

A Cream Ale surgiu no final do século 19 no nordeste dos EUA, antes da Lei Seca e como muitas outras cervejas foi altamente impactada pela época da Proibição, tendo um renascimento após o término da lei seca americana e é considerada um dos únicos estilos históricos de cerveja nascidos nos EUA e não apenas uma adaptação de estilos europeus.

As cervejarias americanas com suas origens nas tradições cervejeiras inglesas se viram obrigadas a criar um estilo leve e resfrescante para competir com a invasão das cervejas lagers no mercado americano, invasão essa, ocasionada pela crescente imigração alemã na metade do século 19. Mas o que poderia ser feito quando não se tinha a tecnologia necessária para fermentar cervejas lagers?

Fermentação Híbrida! Uma cerveja leve e refrescante, como as lagers, porém com uma fermentação am temepraturas de ale. Já que nem sempre o clima americano é apropriado para uma fermentação baixa, os cervejeiro utilizavam cepas de levedura lager que fermentavam bem em temperaturas mais altas ou cepas de leveduras ale que fermentavam bem em temperaturas mais baixas. Além disso, era empregado o uso de adjuntos para deixar o corpo da cerveja mais leve e cristalino, já que naquela época a cevada mais utilzada nos EUA, era a de 6 fileiras, uma cevada com alto teor de proteína. Os adjuntos mais utilizados eram milho, arroz e açúcar.

O resultado dessa luta para competir como as lagers alemãs? Uma cerveja levemente lupulada , um pouco mais frutada que uma Lager mas não tanto como uma Pale Ale. 

Agora, o mais curioso do estilo sem dúvida é o seu nome. Afinal, a cerveja não é nem cremosa e não é exatamente uma Ale. Ninguém sabe ao certo o porquê desse nome, um palpite é devido ao uso de milho em algumas receitas, conferindo um aroma de “creme de milho” por causa do Dimetil Sulfito (DMS), mas não há registros sobre a verdadeira origem.

Outro ponto curioso é que não existe um padrão muito estabelecido para o estilo. Apesar de das diretrizes do BJCP, as cervejarias não têm muitos limites ao produzirem as Cream Ales atuais, utilizando lactose, chá, frutas e até nitrogênio para dar a impressão de se tomar uma cerveja cremosa (mesmo não tendo nada a ver com o estilo).

Cream Ale da Lamas Brew Shop

Como adoramos criar uma receita para chamar de nossa, decidimos criar a nossa Cream Ale para acompanhar esse verão escaldante que nos aguarda. Confira abaixo a receita. 😉

CARACTERÍSTICAS

OG: 1.046            FG: 1.007

ABV: 5,1%          EBC: 6,8

IBU: 17               VOL: 20L

Temp. Fermentação: 18 º C

Temp. Maturação: 8 a 13 º C

Ingredientes

4,0 kg Malte Pilsen
500 g Flocos de Arroz
15 g Lúpulo Cluster (60’)
10 g Lúpulo Northern Brewer (10’)
1 sachê M54 – Californian Lager
1 potinho de priming 

Passo a Passo

1)     Aqueça 15 litros de água na panela de brassagem a 69ºC, ao alcançar a temperatura desejada, despeje o malte moído e o flocos de arroz.

2)    Mantenha a temperatura de 65ºC durante 65 minutos. Sempre que ligar o fogo para subir a temperatura agite a mistura de água+malte (mosto) com a ajuda de uma pá/colher. Com o fogo desligado não há necessidade de agitação.

3)  Pela torneira da panela de brassagem retire um pouco de mosto e retorne ele para a panela. Ao retornar o líquido para a panela não jogue direto sobre o mosto, “quebre” o fluxo com a ajuda de uma escumadeira, formando um “chafariz”. Repita este processo por 10-15 minutos, até notar que o mosto esteja mais cristalino.

4)    Após a recirculação, abra a torneira da panela de brassagem e despeje o mosto em outra panela ou em um balde.

5)    Adicione 17 L à 76°C de água (esquentar à parte) nos grãos para fazer a lavagem e retirar o açúcar restante. Repita os passos 3 e 4 da recirculação com a água de lavagem. Você deverá ter entre 26 e 27 L de mosto na panela de fervura ao final desse processo. Neste ponto a densidade do mosto deve estar um pouco abaixo da OG desejada. Não se preocupe, pois na fervura o volume será reduzido e a densidade subirá. Dica: ter um densímetro ou refratômetro ajuda a controlar seu processo.

6)  Com a mosto filtrado já na panela de brassagem (sem o fundo falso ou bazooca), suba a temperatura até o mosto ferver. Não tampe a panela durante a fervura.  Deixaremos o mosto em fervura por 60 minutos

7) Após o início da fervura adicionamos o lúpulo de amargor Cluster (15g). Faltando 10 minutos para o fim da fervura, adicionar os de lúpulo de aroma Northern Brewer (10g).

8)  Passados 60 minutos da fervura desligue o fogo.

9)  Aguarde 5 minutos e faça whirlpool (fazer um redemoinho com a pá para que todo resto de lúpulo/malte/cascas (trub) se concentre no meio da panela. Este processo pode ser melhorado com a adição de uma pastilha de whirlfloc 15 minutos antes do fim da fervura. Aguarde 5 minutos.

10)  Para resfriar o mosto utilize um chiller (imersão, placas, contra fluxo) ou um balde com gelo. Resfrie o mosto até atingir uma temperatura menor de 30 °C.

12) Com o mosto resfriado transfira-o para o fermentador, deixando o trub no fundo da panela e inocule a levedura. Dica: Será melhor para a fermentação hidratar a levedura antes de inocular. Para hidratá-la, você deve ferver 100 mL de água e deixar esfriar abaixo de 30°C. Despeje o fermento e deixe hidratando por 30 minutos (Você pode fazer isso enquanto ferve o mosto).

13) Assim que inocular o fermento, tampe e deixe fermentando por 7 dias à 18ºC ou até a FG estabilizar. (Caso não tenha como controlar a temperatura, a fermentação pode ocorrer à temperatura ambiente – procure um local mais fresco de sua casa, onde não ocorra muita variação da temperatura). No final da fermentação deve-se ter atingido a FG desejada.

14) Após a fermentação, coloque o fermentador na geladeira e inicie a maturação por mais 10 dias (por volta de 8 a 13ºC).

16) Transfira a cerveja para um balde com torneira ou para a panela (já sanitizados) tomando cuidado para não transferir junto a lama de fermento que fica sedimentada no fundo do fermentador. Adicione o açúcar líquido invertido (priming) na cerveja e homogeneíze com a pá cervejeira sanitizada. Transfira o conteúdo para garrafas de vidro sanitizadas e arrolhe as tampinhas.

17) Guarde as garrafas de cerveja por 5 a 7 dias (em temperatura ambiente) até formar gás.  Depois disso, basta colocar as garrafas para gelar e aproveitar.

Para quem quiser adquirir o kit pronta, basta clicar nesse link aqui –Kit Cream Ale 20L e Kit Cream Ale 5L.

Abraços e boas cervejas!

 

Fernanda Puccinelli Autor

Grande apreciadora de cervejas, teve o primeiro contato com cerveja artesanal sendo cobaia das primeiras cervejas feitas pelos Lamas. ;) Depois de uma temporada nos EUA resolveu unir o útil ao agradável e se aprofundar no mundo das cervejas artesanais. Gosta de viajar, cachorros e claro beber e falar sobre cerveja.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *