Diário Cervejeiro: Cervejas Artesanais no Panamá

Já ouviu falar nas cervejas artesanais do Panamá? Não? Vem comigo em mais um Diário Cervejeiro e surpreenda-se não só com as praias paradisíacas mas também com as cervejas panamenhas.

Antes de começar a ler esse post, você já leu nossos outros Diários de Viagem Cervejeiro? Eu e a Fernanda contamos nossos relatos, experiências e é claro, trazemos as melhores dicas de onde tomar cerveja mundo a fora. Não deixe de ler e comentar o que achou!

O ano de 2020 sem dúvidas foi um ano difícil: o mundo conheceu a pior Pandemia das últimas décadas. Do dia pra noite tivemos de mudar nossas rotinas, viver com medo e ansiedade e muitos tiveram que cancelar planos de viagens: o pesadelo de todo viajante que passa meses planejando o próximo destino. Minha viagem para o Panamá, em fevereiro de 2020, escapou por muito pouco de ser cancelada. Ufa!

Deixando esse ano esquisito de lado, vamos ao roteiro. Ou melhor: as cervejas! Escolhi o Panamá pois estava em busca de praias e culturas diferentes e achamos nesse país exatamente o que queríamos, afinal é um país caribenho com algumas peculiaridades que irei contar aqui. Para ser sincera, acabei não pesquisando muito sobre as cervejas antes de ir e chegando na Cidade do Panamá fiquei maravilhada com as cervejas que tomei.

panama lager
Em clima caribenho, começamos nossa viagem com uma Panamá Lager

Bocas del Toro

O Panamá, apesar de ser um país pequeno, tem uma paisagem diversa e muitas regiões turísticas para visitar. Escolhi três regiões para conhecer: Bocas del Toro (ao norte, próximo a Costa Rica), Cidade do Panamá (Capital do país) e San Blas, uma Comarca dos índios Kuna Yala.

Começamos por Bocas del Toro, pegamos um voo direto para a Cidade do Panamá e lá fomos para um aeroporto local para um segundo voo para Bocas Town (já vá se preparado para atrasos na chegada e partida). A região de Bocas del Toro contempla várias ilhas e dividimos nossa estadia em duas: 3 dias na ilha principal (Bocas Town) e 3 dias em uma ilha mais afastada.

A cidade tem um ritmo frenético de festas, restaurantes e bares mas com uma simplicidade típica de uma cidadezinha praiana. De lá saem inúmeros barcos para os passeios nas diversas ilhas durante o dia e a noite é possível desfrutar boas refeições, curtir uma música ao vivo ou fazer algumas compras.

De tudo o que fizemos lá, tenho duas dicas do que você não pode deixar de fazer. A primeira é comer no Restaurante Octo: na verdade é um trailer adaptado onde eles fazem churrasco de frutos do mar, utilizando apenas ingredientes fresco locais e muitos temperos da cultura da região. Acabamos indo duas vezes, o cardápio muda todo o dia e nos surpreendemos com os sabores e complexidade dos pratos. Para acompanhar, uma Panamá Lager bem gelada – uma puro malte leve e refrescante para tomar no dia a dia. Ah, não dê uma de brasileiros perdidos como nós e não tomem cerveja na rua. Apesar do clima nos remeter muito ao Brasil, é proibido tomar cerveja nas áreas públicas. Fomos parados pelos policiais, que foram muito educados e ficaram impressionados em saber que no Brasil é liberado (senti até uma pontinha de inveja,rs!).

comida panamenha
Lagostim na grelha, salada de mamão verde, chips de yucca e uma espécie de arroz com feijão preto com coco ralado. Harmoniza muito bem com uma lager gelada.

A segunda dica imperdível é: faça o passeio noturno para ver a bioluminescência. Durante sua estadia, existem inúmeros passeios para serem feitos: ilhas paradisíacas, praias cheias de estrelas do mar, ilhas dos pássaros, são todos muito legais e fáceis de fechar. Já a bioluminescência não é muito divulgado, mas quando perguntamos na cooperativa dos barqueiros, descobrimos que quase todos fazem o passeio noturno, basta perguntar.

A bioluminescência é um fenômeno natural causado por organismos capazes de emitir luz. O mar fica todo brilhante, como se fosse o céu. É um momento único, de silêncio e contemplação e que vale muito a pena. Para registrar é necessário câmaras profissionais, como não tenho, ficou só na memória. Mas na internet você consegue ter uma noção de quão lindo é esse fenômeno.

Cidade do Panamá

A Cidade do Panamá é uma cidade moderna, sede de inúmeros escritórios de empresas e famosa pelo Canal do Panamá, uma obra da engenharia que liga o oceano Atlântico ao oceano Pacífico. Ficamos 3 dias na Cidade e diria que foi o suficiente: apesar de não ter muitas atrações turística, o ponto alto da cidade são as inúmeras opções de bares e restaurante. É difícil escolher, são lugares charmosos, modernos, descolados, muitos deles ficam em rooftop de casarões antigos, ideais para ver o por do sol apreciando uma cerveja ou um drink. A vida lá sem dúvida é muito animada.

E é claro, para minha surpresa, além de uma culinária incrível, ainda tomamos excelentes cervejas artesanais. Vou dedicar essa parte com dicas de bares e restaurantes – todos ficam no Centro Histórico chamado Casco Viejo (um bairro super charmoso, com casarões, ruínas, feirinhas e lojinhas – bem diferente da área moderna, com arranha céus e shoppings).

Fonda Lo Que Hay

Esse restaurante experimental do chefe José Olmedo Carles é um lugar pequeno e com uma pegada meio punk rock bem descontraído, oferece comida local panamenha com sabores único e complexos. Ficamos tão apaixonados com a comida que também voltamos duas vezes e acabamos comendo quase todo o cardápio. Se for lá, prove o carpaccio de Atum, dizem que muitos estrangeiros vão lá só para provar e realmente, é algo extraordinário.

Além da culinária única, também provamos excelentes cervejas artesanais da Cerveceria Central – uma sour com manga super refrescante e muito bem feita – e uma IPA bem fresca  e lupulada da Casa Bruja Brewing Co. 

cerveja artesanal panama
Alegria do viajante: se surpreender com boa comida e boas cervejas.
carpaccio atum com sour
Harmonização perfeita: carpaccio de atum com sour
Blue Moon TapHouse

Famosa no Brasil com a cerveja Belgian White, a Taphouse da Blue Moon – Cervejaria de Denver, Colorado – é a primeira fora dos Estados Unidos. Localizada em uma casarão antigo, o lugar é lindo, muito charmoso e com uma lista enorme de cervejas engatadas ou garrafas da cervejaria. Aproveitei para experimentar um pouco de tudo: Sour, IPA, Altbier, Belgian White, Mexican Lager.

taphouse blue moon
Taphouse da Blue Moon em Casco Viejo, Cidade do Panamá
La Rana Dorada

La Rana Dorada é uma cervejaria panamenha com 8 pubs espalhados pela cidade. Com uma decoração mais vintage e um mascote bem divertido, seus pubs tem muitas referências cervejeiras e é uma ótima experiência para os amantes da bebida. A cerveja é gostosa e fresca, com estilos mais tradicionais mas ótimo para refrescar o calor que faz durante o dia.

la rana dorada
Caçador de cervejas artesanais

 

 

Além desses lugares, também fui na La Pulpería – Bar de Ramos Generales e no LAZOTEA Restaurant & Rooftop, ambos excelentes para comer e beber cervejas artesanais, locais ou importadas.

San Blas

San Blas é um arquipélago pertencente aos índios Kuna Yala e ficou famoso após ser cenário do seriado A Casa de Papel (Ilha onde os personagens Rio e Tokyo ficaram refugiados). São mais de 300 ilhas simplesmente paradisíacas, uma beleza natural inacreditável.

Para ir para San Blas, a primeira coisa que você tem de ter em mente é que não encontrará conforto nas acomodações. Eu e o Guilherme ficamos em uma cabana de palha (tinha “banheiro” privado, o que era um luxo), a comida feita pelas índias é bem simples e não tem energia elétrica. Para chegar lá são 2:30 de carro (só chega de 4×4) e 40 minutos de barco. Mas todo o “perrengue” vale  a pena no primeiro mergulho nas águas calmas e quentes, repletas de recifes de corais, peixes, uma vida marinha maravilhosa.

Os locais vendem uma cerveja mainstream qualquer. Como não tinha como refrigerar, acabamos levando vinho para apreciar o pôr do sol no final do dia. Ficamos dois dias e uma noite – pela falta de conforto, achei suficiente. Se você gosta de acampar ou de viagens mais roots, sem dúvidas vale ficar pelo menos mais um dia.

E aí, o que achou da cena cervejeira do Panamá? Ficou com vontade de incluir nos seus roteiros de viagens? Conta pra mim e se tiver alguma dúvida, é só deixar nos comentário!

Até a próximas!

Natalia Poli Bichara Autor

Engenheira de Alimentos formada pela USP e técnica cervejeira pelo ICB, desde a época da faculdade me interessei pelo processo de fabricação de cerveja. Entrei como estagiária na Lamas em 2013 e desde então sou apaixonada pelo mundo das cervejas artesanais. Adoro fazer testes com receitas inusitadas, beber cerveja e falar sobre cerveja, Saúde!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *