Cerveja e comida: o laço que dá certo!

É natural da nossa essência. Começa na gestação. Aflora na família. Estrutura amizades ao longo da vida. Determina relacionamentos.

 

Trazendo um pouco mais para a gastronomia…

 

Unimos o arroz e o feijão. O molho e o macarrão. A pipoca e o Guaraná. Alguns até a pizza com catchup… É, essa combinação é questionável, mas acontece. Afinal, gosto pode até ter alguns parâmetros, mas ainda não se discute.

 

E nesse mundo de reciprocidade, você já experimentou juntar cerveja e comida? É disso que nós vamos conversar por aqui hoje.

 

“Acompanhar” faz parte do nosso hábito. Quem nunca pediu uma batata frita para acompanhar aquele chope gelado? Ou quem nunca organizou um belo churras com a geladeira abastecida de cerveja? É automático. Lembra que eu disse que a nossa essência é criar laços? 🙂

 

 

A cerveja artesanal ainda permite que usemos os elementos que cada estilo oferece sensorialmente para aprimorar essa junção. Então, dentro de alguns critérios, você pode ter uma melhor experiência, além de te dar a oportunidade de ter boas companhias à mesa. E muito se engana quem acha que isso é complicado.

 

Já combinou uma pizza margherita com aquela cerveja pilsen? Pois é, você acabou de harmonizar por semelhança. Ambos tem elementos parecidos. Nenhum dos dois elementos sobressaem ao outro, além do frescor do tempero da pizza unir forças com o suave do lúpulo. As notas de malte da cerveja casam com a massa da pizza, tornando o conjunto na boca ainda mais saboroso.

 

Quem nunca mandou aquele burgão com cheddar e cebola caramelizada? Experimente com uma Brown IPA! As notas adocicadas do malte se intensificam junto ao caramelo da cebola, da carne e do queijo cheddar enfatizando a semelhança, além do lúpulo ser um agente de limpeza do paladar, permitindo uma próxima mordida mais leve. Aqui, acabamos de ter uma harmonização por contraste, em que o objetivo é atenuar algum ponto evidente em um dos elementos e tornar a combinação mais harmoniosa no todo.

 

Viu como é fácil harmonizar cerveja e comida

É quase intuitivo. Para ajudar ainda mais, aqui vão algumas colabs que eu adoro fazer em casa!

 

Pilsen: pizza de abobrinha, torresmo e shimeji na manteiga
Tripel: frutos do mar, guacamole e sopa de ervilha picante
India Pale Ale: costelinha suína, choripán e brisket
Witbier: ceviche, feijoada e salpicão de frango
ESB: frango xadrez, pastel de carne e escondidinho de cogumelos
Stout: carne assada, brownie, doce de leite e bolo de fubá

E, por fim, ainda tem aquela tal harmonização cultural. Ela não consiste necessariamente em unir elementos através da semelhança/contraste, mas em sustentar combinações que são clássicas no país de origem, como por exemplo, ostras e Stout (Irlanda), Fish and Chips com English Bitter (Inglaterra) ou uma weißwurst com Vienna Lager. E por falar em Alemanha, te espero no próximo post no maior clima da Oktoberfest falando sobre o que mais gosto: harmonizar!

 

Bom apetite e saúde! 🙂

Bruna Garcia Autor

Bruna Garcia - CEO na @segunda.rodada e no @oblocoartesanal Publicitária por formação. Sommelière, Mestre em estilos e Técnica em Harmonização com cervejas por amor e muita fome!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *